×

Encontrado sistema planetário próximo com ao menos duas super-Terras em sua órbita

A estrela está a 11 anos-luz da Terra, distância que permitiria estudar as atmosferas de seus planetas em busca de sinais de vida.

hdh 300x191 - Encontrado sistema planetário próximo com ao menos duas super-Terras em sua órbita - o tempo jornalismo

Encontrando ou não vida nesses novos sistemas planetários, o estudo de suas atmosferas nos permitirá chegar mais perto da forma da maior parte dos mundos do universo.

Há menos de três décadas ainda não havia sido observado nenhum planeta para além do Sistema Solar, embora sua existência fosse considerada muito provável. Desde 1995 mais de 4.000 foram localizados e chegou a hora de se aproximar de alguns deles. Especialistas como Günther Hasinger, diretor científico da Agência Espacial Europeia (ESA), estimam que em 10 ou 20 anos possam ser encontradas formas de vida simples orbitando estrelas vizinhas. O lançamento do Telescópio Espacial James Webb, um sucessor do Hubble muito mais poderoso, programado para o próximo ano e em suspenso devido à crise do coronavírus, permitirá analisar suas atmosferas em busca de sinais que mudariam a história.

Nesta quinta-feira, a revista Science publica a descoberta de um sistema planetário relativamente próximo da Terra. A 11 anos-luz de distância, é um bom candidato para observação com o James Webb e outros telescópios que começarão a funcionar nos próximos anos. Os descobridores, uma equipe internacional de cientistas, detectaram pelo menos dois planetas ao redor da estrela GJ 887, uma anã vermelha com metade da massa do Sol e 1% de sua luminosidade. Com essas características, para serem habitáveis, os planetas devem estar muito próximos desse tipo de estrela. Os novos mundos, chamados super-Terras porque são rochosos como a Terra, mas maiores, com quatro e sete vezes sua massa respectivamente, levam 9,3 e 21,8 dias para completar uma órbita.

O primeiro estaria demasiado próximo para ter água líquida e o segundo estaria exatamente no limite, de modo que não seriam os candidatos ideais para encontrar os primeiros organismos fora do nosso planeta. No entanto, o sistema de descoberta de exoplanetas usado pelos pesquisadores, que calcula sua presença ou tamanho a partir de sua influência nos movimentos da estrela, sugere a possibilidade da existência de um terceiro planeta com uma órbita de cerca de 50 dias. Este lugar seria menos hostil à vida em torno da GJ 887.

Encontrando ou não vida nesses novos sistemas planetários, o estudo de suas atmosferas nos permitirá chegar mais perto da forma da maior parte dos mundos do universo. Na Via Láctea, nossa galáxia, três em cada quatro estrelas são anãs vermelhas como a GJ 887. Das milhares de estrelas que vemos à noite do lugar mais escuro da Terra, nenhuma é desse tipo. Nem mesmo a Proxima Centauri, a estrela mais próxima do Sol e também uma anã vermelha, pode ser vista a olho nu. Nosso astro e os que se veem do nosso planeta são raridades dentro do cosmos.

Uma das circunstâncias que dificultam a vida perto de uma anã vermelha é sua instabilidade. As tempestades solares, como as que podem derrubar os sistemas de comunicação na Terra, são mais frequentes e intensas nessas estrelas e seriam uma ameaça à vida e até à existência de suas atmosferas. O planeta Proxima b, no sistema da Proxima Centauri, tem fluxos de raios X 400 vezes superiores à Terra. No entanto, a GJ 887 é relativamente estável entre os astros desse tipo, de modo que seus mundos não seriam submetidos a quantidades tão intensas de radiação.

Guillem Anglada, pesquisador do Instituto de Ciências do Espaço do CSIC, em Barcelona, e coautor do estudo, comenta que a era das descobertas de exoplanetas pode levar à descoberta de formas de vida simples dentro de poucos anos. “No entrono mais próximo da Terra, a cerca de 15 anos-luz de distância, existem apenas 40 estrelas. Nelas deve haver cerca de 20 planetas do tipo da Terra e já encontramos meia dúzia”, explica. Depois que todos forem catalogados, usando telescópios espaciais como o James Webb ou redes terrestres de interferometria, que somam a capacidade de muitos telescópios para atingir o poder de um observatório gigantesco, começaria a busca por moléculas que surgiram indícios de atividade biológica. “Acredito que teremos capacidade de detectar evidências de vida, é altamente provável que existam, pelo menos em suas formas mais simples, embora não tenha claro o que vamos detectar”, aponta Anglada. “Faremos isso estudando populações inteiras de objetos para buscar anomalias, de oxigênio ou metano, por exemplo, em suas atmosferas”, conclui. Trabalhos como esse permitirão saber em poucas décadas se a atividade biológica, algo que por enquanto só foi visto em um planeta dos bilhões que existem no universo, é um fenômeno comum no cosmos. Daniel Mediavilla / El País

Comentários

Os comentários são via Facebook, e é preciso estar logado para comentar. O comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Você pode ser denunciado ou até mesmo banido caso comente algo racista, incite o ódio gratuito ou poste spam.

Curta Nossa Fan Page

banner whats 300x95 - Encontrado sistema planetário próximo com ao menos duas super-Terras em sua órbita - o tempo jornalismo

  • últimas notícias
  • mais lidas