×

Líder de quadrilha de roubo a carros fortes cobrava R$ 500,00 por morte

Os valores citados nos homicídios são sempre de R$ 500,00. Em um deles, ele aparece como mandante do crime para eliminar uma testemunha e pagou o mesmo valor.

Além de assaltante, ele já foi denunciado à Justiça por homicídios e tráfico de drogas.

Apontado como líder de quadrilha de roubo a carros-fortes na Bahia pela Secretaria da Segurança Pública da Bahia (SSP-BA), a ficha criminal de Ulisses Rubens Almeida Silva, conhecido como Corujito, 34 anos, que foi morto na tarde dessa terça-feira (5) após um confronto com policiais militares em Ilhéus, é extensa e antiga.

Além de assaltante, ele já foi denunciado à Justiça por homicídios e tráfico de drogas. Em uma das denúncias de assassinato apresentadas pelo Ministério Público da Bahia (MP-BA) à Justiça e a que o Correio24h teve acesso, a entidade chega a afirmar que Ulisses e seus comparsas “possuem como meio de vida a eliminação de pessoas por encomenda de chefes do tráfico”.

Os valores citados nos homicídios são sempre de R$ 500,00. Em um deles, ele aparece como mandante do crime para eliminar uma testemunha e pagou o mesmo valor. Das ações penais no Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA), a primeira é de um homicídio registrado em 2004. Ele é alvo de outra do mesmo tipo por homicídio e outra por tentativa de homicídio que teriam ocorrido em 2013 e 2018. Ele também é alvo de ações por roubo e tráfico de drogas, onde é apontado como chefe do tráfico de uma localidade do bairro do Uruguai em 2015. São cinco ações no total.

Morador da praia do Canta Galo, na Calçada, os crimes por ele praticados foram todos realizados na Cidade Baixa. Ele já foi condenado a prisão em regime aberto por posse de armas em Jequié, sendo transferido posteriormente para o Presídio de Lauro de Freitas, na Região Metropolitana de Salvador, em novembro de 2017.

Comentários

Os comentários são via Facebook, e é preciso estar logado para comentar. O comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Você pode ser denunciado ou até mesmo banido caso comente algo racista, incite o ódio gratuito ou poste spam.

  • últimas notícias
  • mais lidas