×

Juiz tem prisão preventiva decretada em MG por envolvimento com tráfico

Durante os votos, os desembargadores deixaram claro que, no processo, há provas de envolvimento do juiz com um esquema criminoso.

Ele foi preso em flagrante, em Juiz de Fora, na Zona da Mata, por porte ilegal de armas e munições de uso restrito na noite de quarta

O juiz afastado da Vara de Execuções Criminais de Juiz de Fora, Amaury de Lima e Souza, teve a prisão em flagrante convertida em prisão preventiva por suposto envolvimento com crimes como o tráfico de drogas, corrupção ativa e passiva e lavagem de dinheiro. A decisão foi tomada por unanimidade por 20 desembargadores do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), em sessão extraordinária na tarde desta sexta-feira (13), em Belo Horizonte.

Na manhã da última quinta-feira (12), o magistrado chegou à Superintendência da Polícia Federal, no bairro Gutierrez, na Região Oeste da capital mineira. Segundo a polícia, ele foi preso em flagrante, em Juiz de Fora, na Zona da Mata, por porte ilegal de armas e munições de uso restrito na noite de quarta.

Durante os votos, os desembargadores deixaram claro que, no processo, há provas de envolvimento do juiz com um esquema criminoso. Chegou a ser dito que ele seria reconhecido como o chefe “jurídico” da quadrilha envolvida com tráfico de drogas e homicídio.

“Os fatos descritos revelam práticas criminosas de extrema gravidade atingindo o cerne da estrutura do estado de direito, por colocar em descrédito o poder Judiciário, na medida em que um magistrado, responsável pela garantia da lei, da Constituição, e do próprio estado democrático de direito, imiscui-se com o crime organizado, passa a se relacionar de forma promíscua com traficantes e homicidas”, salientou a desembargadora Márcia Milanez, relatora do processo.

Ela destacou ainda que a Polícia Federal levantou um “robusto” conjunto de provas durante as investigações da operação Athos, deflagrada na última terça-feira (10), com o objetivo desmontar uma quadrilha de tráfico internacional de drogas que agia em Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná, Santa Catarina e Mato Grosso do Sul.

Segundo a magistrada, as investigações apontam a existência de um grupo que atuava na “comercialização de decisões judiciais e no fornecimento de informações sigilosas à organização diversa, atuante no tráfico ilícito de entorpecentes”.

Entre os argumentos para a prisão preventiva, a desembargadora destacou a possibilidade de fuga do juiz ou destruição das provas. Ela falou ainda do comportamento agressivo de Amaury de Lima e Souza, e citou um boletim de ocorrência em que a namorada dele relata ter sido agredida.

Depois dos votos dos desembargadores, o advogado do juiz suspeito, Sânzio Baioneta Nogueira, afirmou que não iria se manifestar. Outro criminalista da equipe de Nogueira informou que a sessão extraordinária ocorreu após a defesa ter pedido o relaxamento da prisão, devido à ilegalidade do flagrante. Márcia Milanez disse, durante seu voto, que o procedimento ocorreu de modo legal. (G1)

Comentários

Os comentários são via Facebook, e é preciso estar logado para comentar. O comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Você pode ser denunciado ou até mesmo banido caso comente algo racista, incite o ódio gratuito ou poste spam.