×

Atirador mata 17 pessoas em escola da Flórida

Doze das vítimas morreram dentro do edifício da escola, outras duas foram mortas na parte externa do prédio.

O FBI (a polícia federal americana) também está auxiliando nas investigações.

Um tiroteio na Marjory Stoneman Douglas High School, uma escola de ensino médio na cidade de Parkland, condado de Broward, ao norte de Miami e próximo a Fort Lauderdale deixou pelo menos 17 mortos, segundo Scott Israel, o xerife (chefe da polícia) de Broward. Os números não são finais, pois a polícia ainda realiza buscas no local e há inúmeros feridos graves.

Doze das vítimas morreram dentro do edifício da escola, outras duas foram mortas na parte externa do prédio, com uma vítima tendo sido morta próxima ao local. Outras duas vítimas morreram após chegarem gravemente feridas ao hospital. O ataque foi reportado no começo da tarde (horário local), com a polícia do condado chegando fortemente armada ao local, inclusive com um tanque. Os estudantes foram evacuados para o hotel Marriott de Coral Springs, onde as autoridades montaram um ponto de encontro entre os alunos, pais e familiares.
Ao menos outros 17 feridos foram levados a hospitais da região, três ainda se encontram em estado grave — as duas vítimas que morreram no hospital faziam parte desta contagem inicial. O xerife de Broward confirmou por meio de sua conta oficial no Twitter que o atirador foi apreendido e está sob custódia dos policiais, ele foi identificado como Nikolaus Cruz, um ex-aluno da escola de 19 anos, que havia sido expulso da instituição por problemas disciplinares. Junto a ele foi aprendida uma metralhadora AR-15 com diversos cartuchos de munição. O AR-15 é uma versão civil do rifle militar M-16, que pode ser obtida legalmente em diversos estados americanos. O FBI (a polícia federal americana) também está auxiliando nas investigações. Este é 13º tiroteio em massa a ocorrer em 2018 nos Estados Unidos, oito deles ocorreram em escolas do país. (Veja)

Comentários

Os comentários são via Facebook, e é preciso estar logado para comentar. O comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Você pode ser denunciado ou até mesmo banido caso comente algo racista, incite o ódio gratuito ou poste spam.