×

Camacan: Waguinho da Farinha quer farmácias abertas 24 horas

O Vereador diz que a comunidade sofre com a falta de um plantão farmacêutico, pois as enfermidades são imprevisíveis.

Waguinho disse que apenas quer que se cumpra a Lei e as farmácias passem atender nas madrugadas, como está previsto. Fotos / O Tempo Jornalismo

O vereador Waguinho da Farinha (PSD-Camacan), observando os dispositivos expressos na Lei 657/de 28 de maio de 2010, disse em entrevista ao Portal O Tempo Jornalismo, que se faça cumprir urgentemente a Lei, dentro dos parâmetros legais. Trata-se do projeto que estabelece a abertura de farmácias e drogarias em escala de rodízio aos sábados, domingos e feriados no município de Camacan, e que a observância que se encontra em caráter de Lei, deve ser estendida não só na sede do município de Camacan, mas também nos distritos. O projeto, foi aprovado e sancionado pela Câmara Municipal, há 8 anos, no Governo da então prefeita Ângela Castro, porém não vem sendo obedecido.

Ele disse que muitas pessoas precisam comprar seus medicamentos nas madrugadas, porque enfermidades, não são previsíveis e podem ocorrer a qualquer hora do dia ou da noite. Para Waguinho, há uma grande necessidade que o plantão farmacêutico, venha ser atualizado e eficiente para atender a demanda da população de Camacan, que clama pelo serviço. 

Segundo o edil, a Lei não vem sendo cumprida pelas empresas e o povo está sofrendo por falta do atendimento após a meia noite. Ele destaca que se não houver acordo, entre as farmácias, compete ao órgão municipal de saúde intervir, estabelecendo a escala de rodízio, e forma de atendimento que será obrigatoriamente estabelecida. Ele finaliza dizendo que consta no projeto que se o estabelecimento apontado para o plantão não quiser cumprir as determinações, sofrerão as penalidades e pode até ter o alvará de funcionamento do estabelecimento cassado.

Comentários

Os comentários são via Facebook, e é preciso estar logado para comentar. O comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Você pode ser denunciado ou até mesmo banido caso comente algo racista, incite o ódio gratuito ou poste spam.

  • últimas notícias
  • mais lidas