Extradição seria me entregar à morte, diz Cesare Battisti

Não sei se o Brasil vai querer se manchar sabendo que o governo e a mídia criaram este monstro na Itália.

O italiano Cesare Battisti afirmou que sua cada vez mais provável extradição significaria lhe “entregar à morte”. A declaração foi feita em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, em meio a rumores de que o presidente Michel Temer já teria decidido expulsá-lo para a Itália, onde foi condenado à prisão perpétua por quatro assassinatos. “Não sabemos em que se baseia o gabinete jurídico da Presidência para que eu possa ser extraditado.

Não sei se o Brasil vai querer se manchar sabendo que o governo e a mídia criaram este monstro na Itália. Vão me entregar à morte”, disse. O italiano também negou que estivesse tentando fugir para a Bolívia, país onde tentara entrar com o equivalente a mais de R$ 20 mil em moeda estrangeira, e reafirmou que seu objetivo era comprar roupas de couro no país vizinho. “Estava indo com dois amigos pescar.

Um de nós já havia ido lá, conhecia, e decidimos ir em um shopping para comprar casacos de couro, que são mais baratos, vinhos e material para pescar. Foi uma besteira porque a informação que eu tinha era que o shopping não estava em território boliviano, estava numa zona franca”, declarou.

Comentários

Os comentários são via Facebook, e é preciso estar logado para comentar. O comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Você pode ser denunciado ou até mesmo banido caso comente algo racista, incite o ódio gratuito ou poste spam.