Capitão da PM que prendeu cavalo após dar coice em carro é afastado

Além de preso, o animal ficou com fome, com sede e em uma cela apertada

O proprietário do animal, Wiliam Francisco dos Santos, relatou que o cavalo estava emprestado para outra pessoa no momento de incidente.

A Polícia Militar prendeu um cavalo na cidade de Nossa Senhora Aparecida, em Sergipe, durante a realização de uma cavalgada no início da noite deste domingo (12). Segundo informações do G1, o animal deu um coice em um carro e um policial o levou para a delegacia.

O proprietário do animal, Wiliam Francisco dos Santos, relatou que o cavalo estava emprestado para outra pessoa no momento de incidente. Ele disse que ainda tentou evitar que o cavalo fosse levado para a delegacia, mas o policial negou o pedido. “Quando eu cheguei na delegacia o cavalo estava em uma cela, como se fosse um marginal. Ele estava sem comida, sem água e em um espaço onde não podia se mexer. A noite eu levei comida, mas hoje de manhã não me deixaram alimentá-lo”, contou William, em entrevista ao G1. Ele disse ainda que vai comparecer à delegacia no município de Ribeirópolis, onde mora a dona do carro danificado pelo coice, para pagar pelo prejuízo no veículo.
A Secretaria de Segurança Pública de Sergipe (SSP/SE) informou no final da manhã desta terça-feira (14), que por uma decisão administrativa, afastou o capitão da Polícia Militar, Vagno Passos, comandante do policiamento no município de Nossa Senhora Aparecida (SE). Por nota, a Polícia Militar do Estado de Sergipe informou que o Comando da PMSE determinou que o oficial permanecesse trabalhando normalmente na sede do 3º BPM, em Itabaiana, até a conclusão da rigorosa apuração refere à denúncia de maus tratos supostamente sofridos pelo animal e as circunstâncias que motivaram a ação policial.
O capitão havia se pronunciado sobre o caso e disse que o animal passou a noite na delegacia, de domingo para segunda, porque o dono se recusou a admitir a responsabilidade e culpou a motorista por ter estacionado na área do evento.

Comentários

Os comentários são via Facebook, e é preciso estar logado para comentar. O comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Você pode ser denunciado ou até mesmo banido caso comente algo racista, incite o ódio gratuito ou poste spam.