Bolsonaro afirma que só não será candidato se o tirarem ‘na covardia’ ou se o matarem

A matéria que o presidenciável citou no texto mostrou como que Jair Bolsonaro e seus três filhos parlamentares, multiplicaram o patrimônio na política.

O deputado federal Jair Bolsonaro (PSC) publicou um vídeo nesta quarta-feira (10) em resposta as matérias da Folha de S. Paulo que relataram o patrimônio dele e dos filhos e que ele recebe auxílio-moradia mesmo morando em apartamento próprio em Brasília. “Estão implicando em R$ 3.500, R$ 3.600 que eu recebo a título de auxílio-moradia, como se eu fosse um bandido.

Eu estou propenso a fazer isso, de acordo com os comentários que eu vejo aqui no Face, vender o apartamento em Brasília e comprar um aqui no Rio”, disse Bolsonaro. Sobre a possibilidade de não participar da corrida eleitoral, o deputado foi direto. “Só em duas situações eu posso não estar neste ano no debate presidencial: se me tirarem na covardia por um processo qualquer, na covardia, (…) ou se me matarem.

Não estou preocupado com isso”, falou. Segundo ele, a mídia não o apoia por estar “completamente fora do establishment, por ser aquele intruso no poder”. “No caso, a Folha de S.Paulo, tentando me desestabilizar e me colocar no mesmo nível dos candidatos deles, que eles apoiam, do PSDB. Eles preferem até um petista na Presidência do que eu”, declarou. A matéria que o presidenciável citou no texto mostrou como que Jair Bolsonaro e seus três filhos parlamentares, multiplicaram o patrimônio na política. “Por exemplo, pegaram meu patrimônio [e disseram]: ‘Óóóó´, ele tem um apartamento em Brasília e recebe auxílio-moradia’.

Tenho sim, apartamento de aproximadamente 60 metros quadrados. O que eu posso fazer? Vender o apartamento, comprar aqui no Rio de Janeiro outro imóvel e ir morar num apartamento mansão da Câmara, de 200 metros quadrados, alguns com hidromassagem, com tudo, com segurança, que eu não vou pagar. Não vou pagar IPTU, não vou pagar condomínio”, divagou no vídeo. (Estadão)

Comentários

Os comentários são via Facebook, e é preciso estar logado para comentar. O comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Você pode ser denunciado ou até mesmo banido caso comente algo racista, incite o ódio gratuito ou poste spam.