Polícia prende suspeito de matar jornalista em prédio na Avenida Tancredo Neves

O suspeito, que não teve a identidade revelada, foi apresentado na tarde desta terça,

Formada em Jornalismo pela Unijorge, em 2015, Daniela estava desaparecida desde às 19h de segunda-feira (13).

A polícia prendeu o suspeito de matar a jornalista Daniela Bispo dos Santos, 38 anos, encontrada morta dentro do Edifício Catabas, na Avenida Tancredo Neves, na manhã desta terça-feira (14). O suspeito, que não teve a identidade revelada, foi apresentado na tarde desta terça, na sede do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), na Pituba.

Formada em Jornalismo pela Unijorge, em 2015, Daniela estava desaparecida desde às 19h de segunda-feira (13), quando saiu da sala onde trabalhava no prédio, no 1º andar, para comprar um remédio e não voltou ao trabalho.

 A vítima foi encontrada na escada que dá acesso ao 5º andar do prédio com um ferimento produzido por arma branca, na região da cabeça. Policiais Militares da 35ª Companhia Independente da PM (CIPM/Iguatemi) foram acionados na manhã desta terça-feira (14), para atenderem a ocorrência e ao chegar no local foi encontrado o corpo.

Daniela trabalhava no prédio, na empresa Call Tecnologia, que presta serviços de call center para o Disque 180 da Secretaria de Políticas para as Mulheres, do Governo Federal. Ela estava escalada para o plantão de ontem de 14h às 22h. Por volta de 19h, disse que ia tomar um remédio e não retornou. O CORREIO tentou contato com a empresa, mas até o momento não obteve contato.

“Ela se encontrou com uma pessoa no 5º andar cujas imagens já mostram e indicam quem tenha sido. A família também já apontou um suspeito e tudo leva a crer que tenha sido um crime passional”, completou o capitão. Daniela deixa dois filhos.

O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) chegou a ser acionado, mas a vítima já estava morta. Daniela trabalhava no setor de direitos humanos da empresa de call center.  (Correio)

Comentários

Os comentários são via Facebook, e é preciso estar logado para comentar. O comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Você pode ser denunciado ou até mesmo banido caso comente algo racista, incite o ódio gratuito ou poste spam.